Voltar ao topo.Ver em Libras.

Tudo o que os líderes precisam saber sobre edge computing#

« Última» Primeira🛈
ImprimirReportar erroTags:barato, remotas, custos, opex, gerados, considerando, seu e vulnerabilidade1040 palavras16 min. para ler
Tudo o que os líderes precisam saber sobre edge computingVer imagem ampliada
O edge computing não é novo, mas suas aplicações para os negócios evoluíram rapidamente na última década. Inicialmente, implementei uma solução edge para a ACI Speciality Benefits em 2010, porque estávamos coletando petabytes de wearable e dados biométricos.

A entrega, o processamento e o armazenamento desses dados ficaram muito caros e latentes para serem enviados e convertidos em análises em tempo real utilizáveis. Com a necessidade de reduzir a latência de rede, os requisitos de largura de banda e o custo, fazia sentido processar esses dados mais próximos ou na borda de nossa rede de longa distância (WAN).

Embora a implantação inicial da ACI tenha sido projetada bem antes de o edge realmente decolar, hoje há vários casos de uso e uma ampla variedade de provedores de telecomunicações a data centers, investindo e utilizando edge. Embora a tecnologia do edge crie uma oportunidade única para os líderes de negócios, ela também tem o potencial de causar muita confusão dentro da sala de reuniões.

Peça a cinco pessoas diferentes para definir o edge computing e você terá cinco definições totalmente diferentes. Tal como acontece com a maioria das coisas na tecnologia, todo mundo pula no movimento da palavra da moda antes de entender completamente ou concordar com o que exatamente esses termos significam. Então, antes de mergulhar em como o edge computing moldará o futuro dos negócios, eu gostaria de propor uma definição que todos possam concordar:
O edge computing é a entrega de infraestrutura de computação que existe mais próxima das fontes de dados (extremos lógicos de uma rede), projetada para melhorar o desempenho, o custo operacional e a confiabilidade de aplicativos e serviços.

Ele reduz as restrições de saltos, latência e largura de banda da rede, distribuindo novos recursos e pilhas de software ao longo do caminho entre os data centers centralizados e o número cada vez maior de dispositivos no campo. Encurtando a distância entre os dispositivos e os recursos da nuvem que os atendem, o edge computing acaba transformando grandes quantidades de dados baseados em máquinas em inteligência acionável. Em particular, mas não exclusivamente, nas proximidades da rede da última milha, tanto na infra-estrutura quanto nos lados do dispositivo.

A palavra "edge” refere-se especificamente à distribuição geográfica. Embora o edge computing seja uma forma de computação em nuvem, ela funciona de maneira diferente, levando o processamento de dados para os dispositivos de "borda” literais para computação, não confiando no data center centralizado para fazer todo o trabalho. Esse sistema de computação complementar libera a pressão da largura de banda, já que os dados não precisam mais ser constantemente transferidos para o data center. Reduzir esses atrasos, mesmo em milissegundos, resulta em uma grande vitória da latência. As velocidades de rede podem ser otimizadas e tornam-se perfeitas para lidar com tráfego de alto volume.

Com uma visão clara de como funciona o edge computing, parece que os principais casos de uso de negócios de edge envolvem aprimoramentos relacionados a latência, privacidade, requisitos de largura de banda, experiência do usuário e tecnologias de dispositivos integrados. Fiz uma parceria com Mark Thiele, Diretor de Engenharia Edge Computing da Ericsson, para criar uma discussão em fóruns abertos no LinkedIn para avaliar exatamente como os principais líderes de tecnologia de hoje vêem o edge computing moldando o futuro dos negócios.

Como parte dessa discussão, Alison Conigliaro-Hubbard, da Riverbed Technology, sugeriu que cada organização poderia ter diferentes tipos de requisitos de edge, e recomenda adotar uma abordagem de cinco pontos para a tomada de decisões e previsão em edge:
1. Objetivos

Quais são os objetivos de negócios específicos e mensuráveis da organização (e preocupações) nos próximos três anos, quando se trata de operações remotas?

2. Aplicações 

Quais tipos de aplicativos são necessários atualmente ou serão necessários para atingir os objetivos?

3. Risco 

Que tipo de risco/vulnerabilidade de dados seu negócio pode suportar, considerando que novos dados são gerados no Edge?

4. OpEx 

Quais custos operacionais são aceitáveis para suportar o Edge IT, incluindo a estimativa do tempo do projeto, as necessidades de contratação ou o conhecimento necessário?

5. Câmbios

Quais são os câmbios para o negócio quando se trata de implementar a solução X versus Y, e como eles se alinham ou afetam os objetivos de negócios? (Por exemplo, mini-data centers no edge para aplicativos que exigem HA também criam risco e custo; e qual é o custo de recuperação a tempo e perda de dados de uma interrupção de site remoto não planejada ou quão rápido um novo site pode ser implantado para competição?)

Além das principais perguntas de Alison, eu perguntaria o seguinte: como os líderes da tecnologia deveriam estruturar a conversa para o edge e fog computing como uma estratégia de investimento para gerar receita de negócios? É essencial estabelecer a aceitação em todos os níveis, vinculando os investimentos necessários a novas tecnologias para um roteiro de negócios sólido com base no crescimento da receita.

Anatoly Chikanov, arquiteto de segurança de informação corporativa, acredita que ter certa inteligência no edge será mais adequado para sobreviver à desconexão, pois a nuvem nem sempre estará disponível. Com esse raciocínio, não pude concordar mais. Qualquer empresa que lide com um grande número de pontos finais distribuídos sabe que a capacidade de filtrar dados mais próximos dos sensores é extremamente benéfica.

Isso ajuda a garantir que apenas os dados relevantes sejam enviados para a nuvem com o benefício da segurança de manter os dados no local. Isso também significa que os dados que passam pelo ecossistema são mais valiosos desde o início. Ao consolidar os dados que passam pelas camadas de hardware, software, aplicação e, finalmente, até a nuvem, as empresas podem ter mais controle sobre a emenda de rede baseada em casos de uso.

Por fim, acredito firmemente que, seja o que for que as empresas possam "fazer”, o edge computing controlará melhor e ainda mais a experiência do usuário. Google, Amazon, Microsoft e Apple já começaram a gerenciar totalmente seus dispositivos, permitindo que muitos consumidores se concentrem na experiência além dos fundamentos de segurança, atualizações, funcionalidade e, em grande medida, recursos.

Tudo isso é minha tentativa de dizer: o edge computing permite que as empresas façam o que já estão fazendo "bem”, mas melhor, mais barato e mais rápido.

Fonte:https://cio.com.br/o-que-os-lideres-precisam-saber-sobre-edge-computing/